O ESPORTE DE ASSU E REGIÃO, OBRIGADO PELA VISITA

quarta-feira, 6 de maio de 2020

ASSU só volta com ajuda financeira, diz Presidente

Pedro Cavalcante, Presidente do ASSU-Foto: Princesa FM
Muito se fala na retomada gradativa do futebol, das recomendações médicas para evitar a transmissão do coronavírus, da responsabilidade dos clubes no trabalho diário para conter justamente a transmissão da doença entre atletas e membros da comissão técnica, mas pouco tem dito sobre como será possível no âmbito financeiro a volta dos times, que não tiveram o apoio financeiro da Confederação Brasileira de Futebol(CBF), aos treinamentos e jogos, quando o futebol voltar a sua normalidade, mesmo com restrições. A preocupação foi revelada pelo presidente do ASSU, Pedro Cavalcante, afirmando que a volta do seu time às atividades depende principalmente de uma ajuda financeira, pois caso contrário, a equipe seguirá com o seu departamento de futebol profissional desativado. “O ASSU tem passado momentos difíceis. O aspecto financeiro tem sido um dos maiores problemas principalmente depois dessa pandemia. Já havíamos verificado todas as condições sobre a viabilidade do clube em poder retomar as atividades, mas não é fácil. Se não tiver um apoio por parte da Federação, dificilmente a gente terá condições de voltar às atividades”, disse o presidente Assuense ao Blog. Todos os clubes inseridos em competições promovidas pela CBF receberam um aporte financeiro da entidade, com valores proporcionais por cada uma das quatro divisões (series A, B, C e D), por conta da pandemia. No Rio Grande do Norte, América, ABC, Potiguar e Globo receberam ou irão receber a quantia de R$ 120 mil. Os quatro irão disputar a Série D deste ano. Quem não participa de nenhuma série, não será contemplado. A propósito, o presidente do ASSU não entende porquê a CBF excluiu os times que, de momento não estão inseridos em competições coordenadas por ela, quando na verdade essas equipes também contribuem para arrecadação vultosa da entidade na cobranças de taxas de inscrição de jogadores e também de anuidade. “A CBF deveria ter esse compromisso de ajudar também esses times, porque a CBF recebe dessas equipes as taxas de contrato de jogador e também a taxa por anuidade. Dizem que a CBF não tem responsabilidade, como não tem? Ela só o tem direito de arrecadar? Vejo que a entidade também tem responsabilidade sobre esses times neste momento difícil financeiramente por que está passando devido à pandemia”, comentou. “Mas, acredito, que haverá um jeito, algum apoio, seja da Federação, para a gente voltar no momento oportuno”. Na semana passada, a Federação reuniu com os representantes de clubes para tratar da possível retomada do Campeonato Estadual, mas segundo Pedro Cavalcante, a entidade não “falou de questão financeira”. 
DESCRENÇA
Sobre um possível retorno às atividades agora em maio, Pedro Cavalcante se mostrou descrente e afirmou que o seu time só voltaria aos treinos e jogos mediante o aval das entidades sanitárias. “Não existe uma data para voltar em maio, isso é impossível pelo que estamos observando. Nós não vamos de encontro a qualquer regra do Ministério da Saúde, não queremos correr o risco de ser corresponsáveis por algo que possa acontecer. A Federação não tem responsabilidade diretamente com o clube, o clube é quem passa ser o responsável pelo dia a dia dos atletas. Nós não voltaremos enquanto não houver a liberação total”, concluiu.
Fonte: Blog do Marcos Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário