O ESPORTE DE ASSU E REGIÃO, OBRIGADO PELA VISITA

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Maio 2020 - 11 anos da conquista do ASSU Campeão Estadual

Presidente da FNF revela preocupação e autonomia dos Estados pode atrapalhar começo da Série D

Foto: Divulgação/FNF
O presidente da Federação Norte-riograndense de Futebol (FNF), José Vanildo(Foto), se mostrou preocupado quanto ao início do Campeonato Brasileiro da Série D. Isso porque, a competição por ser regionalizada depende do retorno do futebol em massa nos Estados envolvidos para o evento só assim poder acontecer. “Faço uma interrogação uma vez que a gente não pode planejar, por exemplo, quando vai recomeçar o Campeonato Estadual? Ora, pode reiniciar aqui no Rio Grande do Norte, mas pode não começar ou terminar na Paraíba, Pernambuco, etc...Então como nós iremos começar a Série D? Nós vamos jogar contra quem se lá (outros Estados) o futebol não for liberado?”, indagou ele durante sua participação em programa de esportes da 87 FM de Natal. Para explicar melhor: um Estado pode retomar primeiro o futebol em relação a outro, porque tudo irá depender do achatamento da curva da pandemia. Representantes do Rio Grande do Norte na Série D de 2020, ABC, América, Potiguar e Globo têm como adversários (confira abaixo) equipes do Ceará, Paraíba, Sergipe, Alagoas e Pernambuco. Nesses Estados, a pandemia segue com curva ascendente, no entanto uns com maiores dificuldades que outros, o que não descarta a volta de alguns deles em primeiro. A pandemia do novo coronavírus paralisou o futebol desde a segunda quinzena de março. Vale lembrar que o Ministério da Saúde já aprovou o retorno do futebol contanto que as Federações adotem rígido protocolo médico de segurança para evitar o contágio da doença. A entidade entende que a retomada do futebol “pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social através da 'teletransmissão' dos jogos para domicílio”. No entanto, a maioria dos Estados brasileiros não seguiu essa recomendação e assim permanecem orientados por seus governos. Em alguns locais, há divergência entre o Governo e a federação quanto ao retorno, mas o Estado tem autonomia reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para decidir a volta do futebol como bem entender. Por consequência, tal autonomia pode atrapalhar o começo da Série D. “A decisão do STF fez desmembrar a competência dos estados, antes não era assim. A decisão do Ministério de Saúde impactava em todas as federações e seus estados, mas hoje o que pode ser no Rio Grande do Norte, Paraíba ou Pernambuco pode não ser para outros estados pela autonomia concebida para cada um”, disse Vanildo. Diante do cenário de incerteza, o presidente da Federação potiguar não faz ideia se o calendário do futebol brasileiro será mantido, com a retomada da Copa do Brasil e a realização do Campeonato Brasileiro das quatro divisões (A, B, C e D), sobretudo da Série D, a que interessa ao Rio Grande do Norte, ou se será ajustado.  “Na hora que houver a abertura para recomeço dos estaduais em todo Brasil, ao largo dele vai permitir o recomeço da Copa do Brasil e os campeonatos brasileiros entre eles a Série D. Dai o momento de muita interrogação para saber efetivamente se a CBF mantém ou faz ajustes no calendário, tendo em vista esse momento de pico (da pandemia) e incertezas”, concluiu.
ADVERSÁRIO DE ABC E POTIGUAR NA SÉRIE D:
Central(PE), Coruripe(AL), Freipaulistano(SE), Itabaiana(SE), Jacyobá(AL) e Vitória da Conquista (BA).
ADVERSÁRIOS DE AMERICA E GLOBO NA SÉRIE D:   
Afogados da Ingazeira(PE), Atlético Cajazeiras(PB), Campinense(PB), Floresta(CE), Guarany de Sobral(CE) e Salgueiro(PE).
Fonte: Blog do Marcos Santos via FNF

Presidente do América/RN admite que 'clube passou do limite' e espera que Governo dê previsão de volta

Foto - José Aldenir - Agora RN
Na terça-feira, 26, o futebol potiguar completou 70 dias de paralisação, após o primeiro decreto assinado em 18 de marco pelo Governo do Estado, recomendando o isolamento social e suspendendo várias atividades, entre elas o futebol. Até o dia 4 de junho, quando encerrará o terceiro decreto (segundo foi assinado no dia 1º de abril), não se fala na retomada do esporte por conta da pandemia do novo coronavírus. Preocupado com a situação, o presidente do América de Natal, Leonardo Bezerra(Foto), afirmou que o clube já “passou do limite” e teme que possa tomar medidas severas caso o futebol não retorne em junho. “A partir do dia 4, se não voltarmos, eu convoco reunião emergencial com o Conselho Deliberativo para tomarmos medidas drásticas para no futuro o América não se acabar”, asseverou o dirigente em entrevista à FM 98 de Natal. O dirigente americano defende o retorno das atividades de forma segura e responsável, com base em rígido protocolo médico, mas mesmo assim o Governo do Estado “dá de ombros” com a situação do futebol, sem se importar com os problemas que os clubes vêm enfrentando com toda essa crise. “Eu vejo de fora como cidadão norte-riograndense que o Governo do Estado não está muito preocupado com a situação do futebol, que é uma ferramenta tão importante nesse momento de pandemia no combate a depressão. Nenhuma atividade no mundo aguenta dois, três meses só com despesa e sem receita nenhuma. Realmente, o América está com água pelo pescoço”, afirmou ele, referindo-se aos benefícios à saúde que o esporte pode permitir com sua volta. A propósito, no início deste mês de maio, o Ministério da Saúde emitiu documento aprovando o regresso do futebol, desde que o faça com medidas preventivas, entre elas a testagem de todos os envolvidos. O texto do documento afirma que o futebol “é relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social através da 'teletransmissão' dos jogos para domicílio”. No entanto, nem todos os Estados seguiram essa recomendação, como é o caso do Rio Grande do Norte, e quase todos eles permanecem orientados pelas autoridades sanitárias estaduais, que entendem que o momento não é de liberar o esporte, enquanto a curva da pandemia não achatar. Mesmo assim, o presidente do América espera que o Governo pelo menos dê uma previsão mesmo que demorado for o retorno, para que os clubes possam se planejar e reduzir despesas. “O Governo precisa pelo menos dar uma previsão de uma possível volta, se em agosto ou setembro, e baseado nisso o América vai ao Sindicato informando que não pode cumprir o contrato com os atletas, porque está impedido de realizar as atividades. Com isso, o clube vai comprimir as despesas, pois se não há receita, também não podemos ter grandes despesas. Pelo menos, isso nos ajudaria muito”, disse. “O América hoje é o maior prejudicado com tudo isso, ele cumpre com suas obrigações e mesmo com a redução salarial que foi feita com os atletas, o nosso clube não aguenta mais um mês sem treinar e sem perspectiva de retornar o calendário”.
POSIÇÃO DA FNF
O presidente da Federação Norte-riograndense de Futebol (FNF), José Vanildo, também faz coro pela volta, mas com responsabilidade. “Não queremos forma alguma extrapolar, se reiniciar pelo reiniciar, mas que haja a inclusão do futebol dentre as atividades produtivas, que precisam ser ouvidas e consideradas”, disse. O dirigente lembra que o futebol é uma cadeia produtiva, pulsante à economia, e que gera centenas de empregos diretos e indiretos aqui no Estado. “Duvido que alguém de imediato diga qual a empresa que tem um custo mensal de salário em torno de R$ 1 milhão de reais... esse valor é que os clubes do RN pagam por mês só de salários aos seus atletas”, concluiu.
Fonte: Blog do Marcos Santos

terça-feira, 19 de maio de 2020

América estabelece protocolo médico para retorno aos treinos

O Alvirrubro adquiriu testes de Covid-19 na expectativa da liberação do retorno às atividades futebolísticas no América Futebol Clube, o que não aconteceu. Em total acordo com o Departamento Médico americano, a Diretoria seguirá o protocolo desenvolvido pelo corpo clínico da instituição, composto pelos Doutores Maeterlinck, Marcos, Marcelo e Márcio Rego. Antes do retorno definitivo, todos os atletas e funcionários serão submetidos a testes que, de acordo com os médicos do América, deverão acontecer em até 72h antecedentes. Enquanto aguarda o próximo decreto do Governo, a Diretoria vai adequar a estrutura do Centro de Treinamento Dr. Abílio Medeiros, em Parnamirim, com a desinfecção de toda a área de trabalho. Mediante a autorização do Ministério da Saúde, do Governo do Estado e da Vigilância Sanitária, produtos de higiene, além dos kits de teste rápido, estarão à disposição de todos, bem como equipamentos de proteção individual (EPI). De acordo com o protocolo desenvolvido pelo Departamento Médico, o primeiro teste deverá ocorrer 72h antes do treino e o segundo no dia do trabalho com o intuito de identificar falsos resultados. Jogadores e funcionários imunizados poderão compor um grupo único de treinamentos que deverão ser divididos em mais de um vestiário, respeitando o distanciamento de cada atleta. As regras também rezam que cada atleta deverá se deslocar para o CT em seu veículo sozinho e deverá estacionar em local pré-definido com distância segura entre os veículos. Em caso de não possuir qualquer meio de locomoção, deverá se deslocar de carro de aplicativo utilizando máscara cirúrgica e fazer uso de álcool em gel ao sair do veículo. Este procedimento também será observado na ida aos jogos. Caso seja necessário o uso de ônibus para ida aos jogos e/ou treinos, o espaçamento entre cada atleta será de duas filas com uso obrigatório de máscara, com jogadores e comissão técnica se deslocando separadamente, sendo obrigado o uso de álcool em gel na entrada e saída do veículo. Após cada uso, todos os espaços serão submetidos à nova desinfecção pela equipe de limpeza que estará devidamente protegida com máscaras e luvas. As medidas serão adotadas inclusive em caso de tratamento médico. Cada atleta “entregue ao DM” não poderá frequentar outras instalações, bem como terá maca e produtos individualizados, sem qualquer tipo de compartilhamento. Os profissionais da saúde também estarão devidamente protegidos e cientes da necessidade da assepsia.
NO TREINAMENTO
Antes de iniciarem os trabalhos, atletas e comissão técnica serão submetidos a um termômetro infravermelho. Na ocorrência de febre e/ou sintomas respiratórios, o testado será isolado e avaliado individualmente.Será respeitada a quantidade mínima necessária – não mais de dez - de membros da comissão e staff para conduzir o treino. Não será autorizada a utilização de adereços, tais como alianças, correntes e relógios, nem a presença de torcedores e profissionais da imprensa. O protocolo médico do Alvirrubro também tem orientações específicas para treinamentos individuais e coletivos que vão desde a obediência aos horários marcados até o tratamento com os aparelhos/utensílios a serem usados.
Fonte: América F. C.

ABC renova com Igor Goularte até o fim da temporada

Foto: Luciano Marcos/ABC
O ABC anunciou nesta terça-feira a renovação do contrato do atacante Igor Goularte(Foto) até o fim da temporada 2020. O empréstimo do jogador havia se encerrado no último dia 7 de maio, mas o acordo foi prorrogado até o fim da Série D deste ano. Fico feliz que deu tudo certo. Estou muito bem no ABC, vivendo um grande momento, estou feliz no clube, na cidade, e queria permanecer. Esperar agora que tudo isso passe e que a gente possa voltar aos treinos e jogos, pois espero continuar dando alegrias ao torcedor e conquistar os objetivos traçados - falou o jogador. Apesar do acordo, Igor e os demais jogadores do elenco do ABC ainda não voltaram a treinar e seguem cumprindo medidas de prevenção ao contágio do novo coronavírus. O Alvinegro suspendeu as atividades no dia 19 de março. Igor Goularte, de 23 anos, participou de todos os jogos do ABC em 2020 e deu quatro assistências, além de marcar quatro gols - um deles definindo a vitória do Alvinegro no clássico diante do América-RN pela Copa do Nordeste. A última vez que o ABC entrou em campo foi no dia 15 de março, em vitória por 4 a 3 diante do Imperatriz no estádio Frei Epifânio pela Copa do Nordeste.
Por GloboEsporte.com — Natal

quarta-feira, 6 de maio de 2020

ASSU só volta com ajuda financeira, diz Presidente

Pedro Cavalcante, Presidente do ASSU-Foto: Princesa FM
Muito se fala na retomada gradativa do futebol, das recomendações médicas para evitar a transmissão do coronavírus, da responsabilidade dos clubes no trabalho diário para conter justamente a transmissão da doença entre atletas e membros da comissão técnica, mas pouco tem dito sobre como será possível no âmbito financeiro a volta dos times, que não tiveram o apoio financeiro da Confederação Brasileira de Futebol(CBF), aos treinamentos e jogos, quando o futebol voltar a sua normalidade, mesmo com restrições. A preocupação foi revelada pelo presidente do ASSU, Pedro Cavalcante, afirmando que a volta do seu time às atividades depende principalmente de uma ajuda financeira, pois caso contrário, a equipe seguirá com o seu departamento de futebol profissional desativado. “O ASSU tem passado momentos difíceis. O aspecto financeiro tem sido um dos maiores problemas principalmente depois dessa pandemia. Já havíamos verificado todas as condições sobre a viabilidade do clube em poder retomar as atividades, mas não é fácil. Se não tiver um apoio por parte da Federação, dificilmente a gente terá condições de voltar às atividades”, disse o presidente Assuense ao Blog. Todos os clubes inseridos em competições promovidas pela CBF receberam um aporte financeiro da entidade, com valores proporcionais por cada uma das quatro divisões (series A, B, C e D), por conta da pandemia. No Rio Grande do Norte, América, ABC, Potiguar e Globo receberam ou irão receber a quantia de R$ 120 mil. Os quatro irão disputar a Série D deste ano. Quem não participa de nenhuma série, não será contemplado. A propósito, o presidente do ASSU não entende porquê a CBF excluiu os times que, de momento não estão inseridos em competições coordenadas por ela, quando na verdade essas equipes também contribuem para arrecadação vultosa da entidade na cobranças de taxas de inscrição de jogadores e também de anuidade. “A CBF deveria ter esse compromisso de ajudar também esses times, porque a CBF recebe dessas equipes as taxas de contrato de jogador e também a taxa por anuidade. Dizem que a CBF não tem responsabilidade, como não tem? Ela só o tem direito de arrecadar? Vejo que a entidade também tem responsabilidade sobre esses times neste momento difícil financeiramente por que está passando devido à pandemia”, comentou. “Mas, acredito, que haverá um jeito, algum apoio, seja da Federação, para a gente voltar no momento oportuno”. Na semana passada, a Federação reuniu com os representantes de clubes para tratar da possível retomada do Campeonato Estadual, mas segundo Pedro Cavalcante, a entidade não “falou de questão financeira”. 
DESCRENÇA
Sobre um possível retorno às atividades agora em maio, Pedro Cavalcante se mostrou descrente e afirmou que o seu time só voltaria aos treinos e jogos mediante o aval das entidades sanitárias. “Não existe uma data para voltar em maio, isso é impossível pelo que estamos observando. Nós não vamos de encontro a qualquer regra do Ministério da Saúde, não queremos correr o risco de ser corresponsáveis por algo que possa acontecer. A Federação não tem responsabilidade diretamente com o clube, o clube é quem passa ser o responsável pelo dia a dia dos atletas. Nós não voltaremos enquanto não houver a liberação total”, concluiu.
Fonte: Blog do Marcos Santos

sábado, 2 de maio de 2020

FNF reúne clubes e aguarda posição do governo para liberação de jogos: "Não há pressa"

Foto: Iuri Seabra/FNF
Representantes dos oito clubes da primeira divisão do Campeonato Potiguar estiveram reunidos com o presidente da Federação Norte rio-grandense de Futebol, José Vanildo, na manhã desta quinta-feira, em Natal. No encontro, foi debatido o plano de ação lançado pela FNF para a retomada dos jogos do estadual. A competição foi suspensa no último dia 17 de março devido à pandemia do novo coronavírus. Todos os presentes concordaram que deve ser respeitado o momento adequado para a volta aos gramados, aguardando a liberação por parte do governo. Segundo José Vanildo, a FNF "levou ao governo do estado as medidas já adotadas e espera o aconselhamento e a melhor decisão para o retorno das atividades do futebol do Rio Grande do Norte". Para os representantes dos clubes, o momento ainda é de estudar, flexibilizar o regulamento, dispensar as taxas e compreender a situação da pandemia para poder terminar a competição em campo.
Foto: Iuri Seabra/FNF
O plano de ação da FNF destaca medidas que deverão ser adotadas após a flexibilização do isolamento social, tais como o monitoramento dos atletas quanto ao Covid-19, o acesso restrito aos clubes, a realização de jogos com portões fechados e o uso de garrafas de água de uso individual ou copos descartáveis. Também trata sobre o trabalho da arbitragem, da imprensa e da Polícia Militar, além da possível presença de torcedores.  - Quem pode decidir a volta do Campeonato Potiguar são o poder público e as autoridades responsáveis pela saúde do nosso estado. Eu convoquei essa assembleia para escutar os dirigentes dos clubes e mostrar que FNF está aqui para ajudar neste momento. Estamos passando por um momento difícil. É importante respeitar a opinião pública e compreender muitas situações para a volta do Campeonato Potiguar. A nossa intenção é mostrar o que foi passado na reunião que tive com representantes da CBF - completou Vanildo.  A reunião presencial seguiu as normas de prevenção ao novo coronavírus, de acordo com a FNF. Os dirigentes presentes usaram máscaras e álcool em gel ao entrar no auditório, e mantiveram distância superior a 2m. 
Por GloboEsporte.com — Natal